Agora não dá mais para apresentar desculpas

Agora não dá mais para apresentar desculpas

Luiz Tarantini
Olá alvinegros apostólicos romanos, sejam todos muito bem vindos ao nosso espaço semanal livre de amarras e com a liberdade de comentar, criticar e elogiar sempre na mesma intensidade sem ter medo de “cara feia”, “mimimi” e qualquer outra coisa chatinha. Paciente.

Esta participação do Nhô-Quim na temporada 2022 do campeonato paulista da série A2 pode-se dizer que realmente foi uma volta de montanha russa da mais desnivelada possível, e também acumularam as mais variadas desculpas por todas as situações enfrentadas. Engraçado!

Iniciou a pré-temporada com contratações pontuais apresentadas sempre por seu executivo de futebol Marco Gama, com a sinalização de positivo por parte do treinador, então no cargo Luciano Dias. Já inicia com certa desconfiança do torcedor mais antigo e de parte da imprensa pela quantidade de atletas com idade um pouco avançada, e a primeira desculpa é que a competição necessita de atletas mais rodados e experientes. Ansioso!

Começa a competição e o time não vai, mostra total instabilidade emocional chegando a ter discussões mais ríspidas e quase com confronto físico entre atletas dentro do vestiário, com a repercussão sendo “vazada” para o torcedor e imprensa, a desculpa é que foi “excesso” de vontade de vencer, sem nenhum tipo de retaliação e punição por parte da diretoria de futebol, e nem mesmo um pronunciamento de seu diretor principal (ainda existe esse cargo?). Curioso!

Troca-se então o treinador, Sai Luciano Dias e a desculpa é que seu trabalho não estava rendendo (na verdade perdeu o comendo sobre os atletas e não tinha mais o vestiário). É apresentado Roberto Cavalo que vem com o currículo e a fama de ser “linha dura” e conhecer muito do futebol do interior, que desta vez não é desculpa, o treinador é mesmo um especialista em treinar times do interior e ser rigoroso com comportamentos dentro e fora de campo. O alvinegro começa em um visível crescimento, ficando invicto em seis confrontos e o melhor sem tomar gols, de zero pulou para nove gols de saldo, descobriu um novo Paraíba e o melhor futebol de Ferreira, além de ter o time muito bem postado em campo. A classificação já esta garantida. Feliz!

O time vai até Taubaté enfrentar o burro da central, e este velho “corneta” pergunta em coletiva ao treinador se jogadores seriam poupados, este demonstrando até certa irritação com a pergunta responde de forma firme que “NÃO”, já havia utilizado tal expediente em outros tempos e que não obteve o resultado esperado. Ufa! Que alívio pensei, vamos para Taubaté buscar a vitória e entrar diretamente na briga pela ponta da tabela para ter vantagens maiores, e para que o moral e a confiança fiquem encravados nos jogadores e torcedores. Confiante!

A surpresa desagradável vem uma hora antes do início da partida com a escalação tipo “colcha de retalhos” da vovó, com várias mudanças de nomes e de posicionamentos, o resultado não poderia não ser outro do que um empate sem gols “muito xoxo” e com clara demonstração de ter tirado totalmente o pé do acelerador. Decepcionado!
A desculpa foi que tinha dois atletas suspensos por cartão amarelo ( Lucio Flávio e Paraíba) e que então resolveu mexer “um pouco” na formação do time, o engraçado é que sua resposta a pergunta sobre poupar atletas foi totalmente contraditória. Intrigado!

Vem então a partida final da primeira fase, o XV jogaria em casa contra o desesperado primavera que necessitava de uma vitória para alcançar sua classificação. A façanha não parecia nada fácil para o “fantasma”, como vencer um time que está sem perder e tomar gols a seis partidas? O XV entra em campo com sua força máxima e o torcedor vibra, o tempo vai passando e este incrédulo repórter atrás do gol defendido pelo arqueiro tricolor André assiste um XV que não acerta passes, não chuta e ainda tem sua dupla de zaga titular removida da partida no intervalo. Vem então a derrota alvinegra “em casa” em uma penalidade totalmente desnecessária. Estranho!

Agora meu amigo, para um bom entendedor meia palavra basta, não existem mais desculpas, o enfrentamento é contra o perigoso São Bento treinado por Paulo Roberto que tem qualidades conhecidas em ser um estrategista de primeira qualidade. Não será nada fácil a jornada para o Nhô-Quim, vamos torcer por um ótimo resultado em Sorocaba e só administrar o jogo em Piracicaba, dentro do Barão que é para ser nosso décimo segundo jogador, lotado com o torcedor mais apaixonado e esperançoso do mundo, o torcedor alvinegro Piracicabano. Agora não dá mais para apresentar desculpas!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Matérias Relacionadas